sábado, 28 de agosto de 2010

Amor é fogo que arde sem se ver

Amor é fogo que arde sem se ver
Amor é fogo que arde sem se ver;
É ferida que dói e não se sente;
É um contentamento descontente;
É dor que desatina sem doer;
É um não querer mais que bem querer;
É solitário andar por entre a gente;
É nunca contentar-se de contente;
É cuidar que se ganha em se perder;
É querer estar preso por vontade;
É servir a quem vence, o vencedor;
É ter com quem nos mata lealdade.
Mas como causar pode seu favor
Nos corações humanos amizade,
Se tão contrário a si é o mesmo Amor?



Luís de Camões

2 comentários:

Silene disse...

Carlos... Bom dia meu querido amigo! Linda manhã de domingo aqui em Belo Horizonte!

Sinceramente... esse poema é um dos meus preferidos! Adoro ouvi-lo na voz linda e inesquecível de Renato Russo.

Eu fico mesmo, muito, mais muito impressionada com você!

Sua energia e sua sabedoria me deixam encantada.

Agradeço por ter me encontrado e deixado seu primeiro e tão carinhoso comentário lá no Cantinho. Você me faz muito feliz...

Deixo meus beijos para ti com desejo de muitas felicidades e realizações em sua vida.

Sua sempre encantada amiga... Sil.

Silene disse...

Me esqueci...

Não é Sil!!!

Para você é Sisi!!!

Então...

De sua sempre encantada amiga... Sisi.

Postar um comentário